‘É o servidor que vai me levar para o segundo turno’, diz Indio

‘É o servidor que vai me levar para o segundo turno’, diz Indio

Candidato divulgou carta aos funcionários municipais com críticas à gestão de Paes          

RIO — Na porta da prefeitura do Rio, na Cidade Nova, o candidato Indio da Costa (PSD) distribuiu nesta quarta-feira uma carta aberta aos servidores municipais em que faz críticas à gestão de Eduardo Paes e às promessas de Pedro Paulo (PMDB) para a melhoria dos serviços públicos. Citando dados da Previ-Rio, Indio afirma no documento que os recursos disponíveis nos fundos de previdência e assistência dos servidores caíram de R$ 2,205 bilhões, em 2008, para R$ 153 milhões, em dezembro de 2015. Ele acusa Paes de usar o dinheiro aplicado para ampliar o caixa da prefeitura e realizar mais obras na cidade.

— É o servidor que vai me levar para o segundo turno. Eles reconhecem minha capacidade de trabalho. Trabalhei na prefeitura durante dez anos. Na Secretaria de Administração, fiz um trabalho forte com a Educação — aposta Indio, que acredita também ter força entre o eleitorado de classe média baixa que cobra melhoria dos serviços públicos.

— Decidi ser candidato por conta desse momento que pede solução delicada.

Sem a possibilidade de entrar no edifício que abriga a prefeitura do Rio, o candidato do PSD distribuiu panfletos do lado de fora e conversou com os passantes. A legislação eleitoral proíbe atos de campanha em órgãos públicos.

— Só o Pedro Paulo pode entrar — criticou.

Indio voltou a defender sua proposta de integrar categorias funcionais na prefeitura que deixaram de existir, como datilógrafos, em categorias mais amplas.

— São 111 categorias. Imagina se você reajustar essa multidão e aproveitar seu trabalho. Não precisa ficar concursado.

Fonte: O Globo 21/09/2016

 

‘Minha especialidade é fazer mais com menos’, diz Indio da Costa

‘Minha especialidade é fazer mais com menos’, diz Indio da Costa

Indio afirma que seu governo será transparente, com participação e simples              

Candidato a prefeito pela 1a vez, o deputado federal Indio da Costa, hoje no partido que ajudou a fundar, o PSD – mas que já foi do extinto PFL, do PTB e retornou ao PFL, que depois virou DEM –, critica a estrutura inchada da gestão Eduardo Paes. A mesma com a qual colaborou em 2013, como secretário municipal de Esportes. Em entrevista ao Metro Jornal, afirma que seu governo será transparente, com participação e simples, como as camisetas que usa em campanha.

Por que quer ser prefeito?

A cidade passa por um momento muito delicado, onde recebeu uma série de obras e tem várias outras em andamento, que pararam por falta de dinheiro. A Previdência, que quando saí da prefeitura em 2006 deixei com R$ 2,445 bilhões no caixa, agora está zerada. O Previ-Rio, a assistência do servidor, está negativo. Isso mostra um estado pré-falimentar. Uma dívida de R$ 24,7 bilhões, que reduzida por decisão judicial, não definitiva, foi para R$ 18,2 bilhões. Escolas do Amanhã que depois de 8 anos só tem quatro que funcionam e funcionam muito mal. Faltam médicos em muitos hospitais e você tem um modelo do PMDB de governar, que vai agregando partidos em troca de cargos públicos, que a prefeitura não vai aguentar. Tenho muito mais experiência que os outros candidatos e estou vendo eles fazerem promessas impossíveis. A prefeitura está assumindo tudo do Estado porque está em época de eleição. Quem vai pagar essa conta depois? Estão se comprometendo com um custeio que não tem fonte de receita. Ninguém está fazendo conta. Hoje, os royalties de petróleo não existem mais como existiam, o sonho dourado acabou.

No seu programa diz que vai usar a tecnologia. Como?

Durante cinco anos, gerei uma economia de R$ 300 milhões em uma secretaria municipal [de Administração, na gestão Cesar Maia]. Quase reduzi pela metade os cargos de comissão que eu tinha lá. Quero pegar essa experiência e levar para a prefeitura, mas com um pequena diferença que faz toda a diferença. A tecnologia que existe hoje pode suportar um governo verdadeiramente participativo, o que foi sempre uma promessa da esquerda, mas que nunca conseguiu cumprir por duas razões: interesse político e falta de tecnologia. Vou trabalhar direto com aplicativos para que as pessoas possam opinar em saúde, segurança, transporte. Se todo usuário de transporte der informação e opinar, ele me ajuda a reorganizar as linhas de ônibus. Ele que vai reorganizar esse desenho.

Se eleito, retrocederia a municipalização de alguns órgãos, como os hospitais?

Manteria os hospitais, mas com uma diferença, vou botar para funcionar. Se você for ao 11o andar do Albert Schweitzer, por exemplo, vai ver que não está funcionando. Nas Escolas do Amanhã também não tem nada funcionando, falta professor, falta mobiliário, não tem tempo integral, a aula acaba antes de meio-dia. E eles prometem fazer mais 300 escolas, 50 clínicas, mais seis parques iguais ao de Madureira. Quem paga essa conta? Quem mantém? Agora já começam a aparecer os esqueletos. O Parque Olímpico vai nos custar R$ 30 milhões por ano. Quantas crianças em creche eu teria com esse dinheiro?

Mas a Olimpíada já aconteceu. Como pretende usar esses equipamentos? 

Só o tempo vai definir, porque a prefeitura perdeu muito seu grau de transparência. Não vou negar o que está aí. Vou concluir as obras, usar os equipamentos e oferecer para a cidade. Mas dentro de um modelo que a prefeitura possa pagar. Entre pão e circo; e educação, segurança e saúde, prefiro deixar o pão e circo para a área privada.

O que vai fazer com eles? Tem um planejamento?

Não sei. Depende. O planejamento deles é mentiroso, porque não tem dinheiro. Eles já entregaram muita coisa à iniciativa privada, mas em um modelo oneroso para a prefeitura. Temos que fazer a conta e ser honestos com a população. O mito do governo grátis acabou com o Governo Federal. Prometeram, prometeram e quebraram o Brasil, que tem 11 milhões de desempregados e uma violência absurda nas ruas. Eu vou assumir a responsabilidade municipal da segurança pública, essa secretaria vai ter a Guarda Municipal e toda a estrutura necessária para pequenas intervenções. A violência se atrai por um ambiente degradado, então tem que melhorar esses ambientes, mas de maneira simples. Olha, algumas pessoas me perguntam até da camiseta que estou usando na campanha. Quero que as pessoas entendam a mensagem de que eu quero ser um prefeito simples. A camiseta passa a simplicidade que eu acho que a cidade precisa. As pirotecnias que estão prometendo não fecham conta nenhuma. O Eduardo fala que está tudo bem e do outro lado arrocha o carioca, aumentando o imposto. Vou cancelar tudo que foi ilegal em matéria de aumento de IPTU.

Em que ritmo vai concluir as atuais obras?

Depende do caixa da prefeitura. A minha especialidade é fazer mais com menos. Minha ideia é realocar essas pessoas onde tem uma terceirização desnecessária ou onde falta gente. Ao invés de prometer novas escolas, vou fazer funcionar as que já existem. A educação em tempo integral que eu trabalho tem um binômio: transporte e alimentação. Eles trabalham hoje com 7 horas e meia, eu queria 9 horas. Mas tem que ver como está a capacidade da prefeitura, para evitar que o custo seja alto, mas ao mesmo tempo atender. Você tem 20 e poucas Vilas Olímpicas, uma rede de teatros, cinemas, museus, equipamentos públicos e alguns privados que se pode fazer parceria, como os clubes de bairro. Tem um monte que deve uma fortuna de IPTU, então você pode fazer um acordo para os alunos terem alguma atividade depois da escola. Estamos pegando programas que já deram certo para trazer para o Rio.

Como gerir a saúde sem as OSs [Organizações Sociais]? Ou você vai usá-las?

Ninguém pode gerir sem as OSs nesse momento, sem um planejamento a médio e longo prazo. Do ponto de vista administrativo, posso abrir a participação da sociedade para cada etapa do programa de saúde, para as pessoas dizerem o que pode mudar, o que pode ser diferente. A ideia é ter aplicativos e a sociedade analisar e dar nota para tudo. A primeira coisa é publicar tudo no Diário Oficial para ver quem está lá dentro da OS. Vou mostrar todo mundo que está contratado, carga horária, função e salário. O conceito é transparência e maior participação.

É a favor de armar a Guarda Municipal? 

Depende, o tempo vai dizer. Um guarda com cassetete pode evitar muita coisa. Você imagina somado a isso câmeras de alta precisão, inteligência por trás dessas filmagens, um sistema de informação para trocar com as polícias Civil e Militar. Tem mais guarda municipal no Rio do que PM fora das UPPs. A prefeitura é uma força complementar de segurança extraordinária. Essa será a função da Secretaria de Segurança, somada às intervenções necessárias. Todo mundo reclama muito dos problemas de burocracia. Você quebra isso integrando setores, criando macrofunções. Eu vou ter sete.

Significa cortar secretarias?

Esquece as secretarias. Isso é uma visão do passado, orçamentária. Queremos uma visão gerencial. Eu vou ser radical nisso. Antes da Cultura, do Esporte, e secretaria de Trabalho e Renda atender qualquer política na cidade, primeiro vai atender ao aluno da escola pública, que verdadeiramente precisa desses trabalhos complementares.

Haverá corte de pessoal?

Hoje, o prefeito tem 67 órgãos de primeiro escalão. Nem o governo federal americano, chinês, russo tem esses órgãos. Isso não existe. Mas o Eduardo tem. As funções podem continuar, mas redesenhando o que está por trás. Ao invés de administrar por unidade orçamentária, passa a administrar por processo. Significa que os cabos eleitorais dos partidos políticos que estão lá gastando dinheiro sem prestar serviço para a gente vão para casa.

Fonte: Jornal Metro 21/09/2016

 

Índio da Costa promete melhorias na segurança da Saara

Índio da Costa promete melhorias na segurança da Saara

Indio diz que vai administrar  o Rio com competência e simplicidade          

O candidato do PSD à Prefeitura do Rio, Índio da Costa, esteve na Sociedade de Amigos das Adjacências da Rua da Alfândega (Saara), a maior área de comércio popular do Rio, esta sexta-feira (16). Foi o único compromisso público do político. Ele percorreu um trecho da Rua da Alfândela, entrou em lojas, cumprimentou eleitores e tirou fotos. Ele também conversou com clientes e vendedores, além de ouvir reclamações. Saneamento, acessibilidade e segurança são algumas das necessidades de quem trabalha ou faz compras nas ruas de comércio do Centro.

O candidato do PSD disse que, se for eleito, quer resolver de maneira rápida e barata todas as reclamações que ouviu na região da Saara.

“Você pode colocar câmeras com tecnologia para identificar as pessoas, e aí você contribuiu com a segurança. Colocar a Guarda Municipal para garantir a manutenção adequada. Fazer o nivelamento das calçadas e melhorar a drenagem. Adequar o local e a segurança para que as pessoas tenham a tranquilidade para fazer as suas compras. Isso está gerando emprego”

 

Fonte: site G1 16/09/2016

Indio da Costa apresenta propostas para a Barra e região

Indio da Costa apresenta propostas para a Barra e região

“O próximo gestor vai precisar de muita experiência para concluir o que ficou inacabado”      

RIO – Em 2 de outubro, aproximadamente 4,8 milhões de eleitores, segundo o Tribunal Regional Eleitoral (TRE), devem ir às urnas do Rio de Janeiro para escolher o prefeito e os 51 vereadores do município. Este ano, as regras da propaganda eleitoral gratuita na televisão sofreram alterações. Diferentemente dos anos anteriores, quando eram reservados 30 minutos de campanha para as coligações majoritárias num dia e 30 para as proporcionais no outro, este ano apenas os postulantes ao Palácio da Cidade ocupam um tempo contínuo na TV e no rádio. Mesmo assim, são apenas dez minutos divididos, proporcionalmente, entre os 11 candidatos. O restante da propaganda eleitoral é diluído na programação ao longo do dia.

Isso reduz o número de pessoas que acompanham a campanha pelas mídias tradicionais e ao mesmo tempo força os candidatos a falarem de forma genérica, sem se aprofundar em suas propostas sobre cada assunto e para cada região da cidade.

Pensando nisso, O GLOBO-Barra propôs aos candidatos a prefeito que apresentassem suas propostas de governo específicas para a região.

Cultura

Podemos trabalhar a cultura na Barra e região como trabalharemos na cidade toda. Entender a cultura como elemento essencial da educação. As escolas precisam dedicar tempo ao conhecimento da cultura. Os alunos devem ser incentivados a frequentar teatros, museus, no Rio e fora do Rio, e aproveitar os espaços que a região da Barra tem, teatros, auditórios, shoppings. Vale lembrar que as manifestações culturais podem acontecer em ruas, calçadas, praias etc. É uma questão de vontade política e prioridade. No meu governo a cultura fará parte de uma macrofunção, a da educação.

Conservação

Conservação é a questão de ordem; a região da Barra sofre muito por falta de uma política que eduque a população e que fiscalize o cuidado com o patrimônio público e com a preservação do meio ambiente. A política de urbanismo na região da Barra não tem o menor cuidado com a preservação do meio ambiente e da poluição visual, que agride muito o ambiente. Autorizam a construção de espigões que tapam o sol e a vista do melhor patrimônio que o Rio tem, que é a natureza.

Mobilidade

Mobilidade é o conceito de ir e vir. Nesse ponto a região da Barra é um exemplo da desordem, representada pela ocupação ilegal das calçadas, pelo lixo que fica espalhado nas ruas em frente aos bares, boates e restaurantes, que vira um custo adicional para a Comlurb e o contribuinte. Embora o BRT e a linha 4 do metrô representem uma novidade interessante para quem se desloca para a área da Barra e da área da Barra para outras, o transporte interno da região não atende à conveniência dos moradores. E, por fim, a questão já muito debatida da falta de estrutura para as pessoas com deficiência e dificuldade de locomoção. Nem os transportes, nem as calçadas, nem os sinais são adaptados de maneira convincente. A minha proposta é fazer com que a lei seja cumprida em todos os seus aspectos, para ter ordem no bairro e maior qualidade de vida.

Parcerias

A parceria com os governos estadual e federal esteve prejudicada por muito tempo, porque o modelo do governo aplicado pelo PMDB e pelo PT criou um caos econômico nas unidades da federação. A prefeitura do Rio, durante os últimos quatro anos, aplicou o mesmo modelo que me leva a acreditar que, ao permanecer o PMDB no governo, a prefeitura terá os mesmos problemas nos próximos quatro anos. O prefeito do Rio vai precisar gerenciar com absoluta austeridade e competência os recursos da prefeitura para fazer funcionar a estrutura dos serviços públicos sem contar com a ajuda dos governos federal e estadual.

Fonte: Jornal O Globo – 16/09/2016

‘Sou capaz de tirar a prefeitura do Crivella no segundo turno’, diz Indio

‘Sou capaz de tirar a prefeitura do Crivella no segundo turno’, diz Indio

Candidato aposta em sua própria biografia e no ataque a adversários para conquistar votos      

O candidato Indio da Costa (PSD), que ressalta desde o início da campanha suas críticas à gestão de Eduardo Paes, disparou nesta sexta-feira também contra Marcelo Crivella (PRB), líder na disputa pela prefeitura do Rio, de acordo com levantamentos do Ibope e do Datafolha. Durante uma visita a Botafogo, na Zona Sul do Rio, Indio afirmou que é capaz de “tirar de Crivella a prefeitura” em um eventual segundo turno e citou uma suposta influência do bispo Edir Macedo, fundador da Igreja Universal, e do ex-governador do Rio Anthony Garotinho sobre o candidato do PRB.

— Sou capaz de tirar a prefeitura do Crivella no segundo turno. Preciso da ajuda de quem me apoia para ir para a rua pedir votos. Você que está votando em branco ou nulo, alguém está escolhendo por você. E provavelmente é um fiel da Igreja Universal — disse.

Indio conversou com comerciantes e moradores de Botafogo
Indio conversou com comerciantes e moradores do bairro de Botafogo.

O jornal O Globo procurou a assessoria de imprensa de Crivella para comentar a declaração de Indio da Costa, mas ainda não obteve resposta.

Para conquistar votos, melhorar seu desempenho nas próximas pesquisas de intenção de voto e chegar ao segundo turno, o deputado federal tem apostado, no início da campanha, na divulgação da própria biografia e também nos ataques aos adversários, especialmente Pedro Paulo (PMDB), candidato apoiado pelo prefeito Eduardo Paes, a quem acusa de cometer ‘estelionato eleitoral’ durante a campanha. A partir desta sexta-feira, suas propostas de governo devem ganhar mais destaque no horário eleitoral e nas inserções na TV.

Enquanto os escândalos de corrupção aumentam o desânimo dos eleitores com a política, Indio costuma se apresentar no rádio, TV e na internet como o relator da Lei da Ficha Limpa e evocar a apresentação na Câmara de projetos de lei com as medidas anticorrupção defendidas pelo Ministério Público Federal.

Alguém vai ser eleito prefeito e nenhum candidato tem a história que eu tenho. Falo com o eleitor que está incomodado — ressalta.

Fonte: Jornal O Globo – 09/09/16

 

Minha proposta é simples: fazer uma cidade inteira feliz

Minha proposta é simples: fazer uma cidade inteira feliz

Vou priorizar a qualidade de vida do carioca e sua dignidade         

O Rio precisa de um gestor para acabar com o desperdício e avançar com a qualidade da prestação de serviços. O próximo prefeito precisa ter muita experiência administrativa, independência e liberdade política para concluir o que ficou inacabado. E eu tenho essa experiência política. Com competência, simplicidade e priorização dos serviços básicos com qualidade, vou priorizar a qualidade de vida do carioca e sua dignidade, e transformar o Rio de Janeiro em uma das melhores cidades para se viver.

A gestão e a transparência serão a marca do meu governo. Diferentemente da atual gestão, que quebrou a previdência municipal e vai sair deixando a prefeitura endividada. O Rio agoniza por conta do aparelhamento político, da má qualidade dos serviços públicos e do planejamento ineficaz das obras e projetos.  A atual administração da Prefeitura do Rio inchou a máquina com aumento de secretarias, contratações, e desvaloriza o servidor de carreira. Por conta disso, os serviços prestados à população são ineficazes.

No meu governo, vou priorizar a gestão dos recursos públicos, disponibilizar melhores serviços à população – sem aumento de impostos. Vou buscar a eficiência do gasto, de forma a ser possível fazer mais utilizando o mesmo volume de recursos. Além de valorizar o servidor público, profissionalizar os gestores pelo reconhecimento do serviço prestado e por sua participação na gestão, conferindo-lhe respeito, dignidade e qualidade de vida.

O Rio tem a maior estrutura da saúde pública do país, mas não funciona. Vou administrar os hospitais com gestão eficiente, monitorar o atendimento com tecnologia e controle de indicadores, com a ajuda da sociedade. Com isso, dar mais transparência nas informações sobre o funcionamento de cada unidade. É obrigação da prefeitura garantir atendimento de qualidade, combater as fraudes na aplicação dos recursos e disponibilizar remédios para quem não pode pagar. É inaceitável o paciente procurar o médico, receber uma receita e não conseguir fazer o tratamento. Na minha administração, vou trabalhar para que o atendimento médico à população seja eficiente e de qualidade.

Para educação, a minha proposta vai além do modelo tradicional com investimento em novas tecnologias, com habilidades de relacionamento interpessoal e autonomia para a vida em sociedade. Oferecer ensino em tempo integral por meio de parcerias com escolas de idiomas, informática, ensino técnico, formação profissionalizante em convênio com SENAC, SENAI, escolas técnicas e outros. Além de valorizar os profissionais da educação, implantar a tutoria pedagógica, cuidar das escola e modernizar o ensino pra formar uma nova geração de empreendedores. A educação de qualidade é que permite as pessoas saírem da pobreza.

No meu governo, para solucionar os problemas de mobilidade urbana da cidade, vou integrar as políticas e intervenções urbanas para possibilitar que a cidade seja pensada e repensada sob diversos ângulos e que o crescimento passe a ocorrer de forma ordenada. Além de requalificar áreas degradas, priorizar a revitalização da Zona Norte, Leopoldina e Centro simplificar o processo de legalização de construções, regularizar os loteamentos irregulares, promover a renovação das vias públicas com asfalto de melhor qualidade e maior durabilidade, autorizar habitação na região central da cidade, e ampliar o monitoramento e gerenciamento de áreas de riscos.

Para resolver o problema de segurança no Rio, vou criar a Secretaria Municipal de Segurança Pública, valorizar, requalificar e remunerar adequadamente a Guarda Municipal para que ela cuide das pessoas. Vou garantir o direito de ir e vir do carioca com apoio tecnológico, sistema de informações e inteligência, além da presença física da Guarda Municipal e de toda a estrutura pública municipal de modo a evitar a desordem urbana, principal semente para a violência.

Eu entendo que é função primordial da prefeitura criar condições essenciais de alcance de uma qualidade melhor de vida para as pessoas. Com uma gestão eficiente e com serviços públicos adequados, retomaremos a nossa real capacidade de crescimento para transformar o Rio em uma cidade onde os cariocas se orgulhem de viver. Vamos juntos pelo Rio!

 

Indio da Costa debate saúde com jovens do Complexo do Alemão

Indio da Costa debate saúde com jovens do Complexo do Alemão

“A gestão e a transparência serão a marca do meu governo”         

O candidato a prefeito do Rio pelo PSD, deputado federal Indio da Costa, apresentou nesta segunda-feira, em Irajá, na Zona Norte, as principais propostas para a área da saúde a um grupo de jovens moradores do Complexo do Alemão. O encontro ocorreu na Praça Nossa Senhora da Apresentação. Indio contou ainda que convidará o médico Paulo Niemeyer Filho, diretor do Instituto Estadual do Cérebro, para comandar a Secretaria municipal da Saúde.

Quero transformar o usuário em fiscal. A tecnologia permite isso. Queremos ter um diagnóstico vivo dos problemas como o nosso primeiro passo
“Quero transformar o usuário em fiscal. A tecnologia permite isso. Queremos ter um diagnóstico vivo dos problemas como o nosso primeiro passo”

Na roda de conversa, Indio da Costa afirmou que implantará nos hospitais municipais do Rio, caso seja eleito, um sistema de avaliação do serviço por meio de um aplicativo. Segundo ele, o objetivo é estender a ideia para outros setores da prefeitura, como segurança pública, transporte, gestão e educação.

– Quero transformar o usuário em fiscal. A tecnologia permite isso. Queremos ter um diagnóstico vivo dos problemas como o nosso primeiro passo. Ao invés de propor construir coisas novas, quero pôr para funcionar os hospitais, as escolas, os serviços da cidade – afirmou candidato.

Indio da Costa ouviu reclamações dos jovens em relação aos hospitais, postos de saúde, clínicas da família e Unidades de Pronto Atendimento (UPAs). Entre os problemas apontados, estão a falta de médicos e medicamentos e superlotação. O candidato se comprometeu a priorizar a transparência em contratos com fornecedores e com as Organizações Sociais (OS).

– Vou publicar no Diário Oficial a relação com os nomes dos médicos, os horários dos plantões e os salários. A gestão e a transparência serão a marca do meu governo – ressaltou Indio.

O parlamentar também criticou a atual administração municipal:

– O que o Paes fez foi asfixiar a prefeitura para os próximos anos, antecipando receitas e acabando com reservas da Previdência Social. O que vai precisar é de um gestor para acabar com o desperdício e avançar com a qualidade da prestação de serviços. Tenho vários projetos, mas não vou prometer na campanha eleitoral, se tenho certeza de que não vou ter esse dinheiro – disse.

Indio da Costa diz que fará auditoria em secretarias municipais

Indio da Costa diz que fará auditoria em secretarias municipais

Indio defende maior transparência nas informações da prefeitura do Rio                

_DSC1669
Indio debate plano de governo com empresários da construção civil

O candidato a prefeito do Rio pelo PSD, deputado federal Indio da Costa, conversou na tarde desta quinta-feira com 60 empresários da área da construção civil na sede da Associação das Empresas de Engenharia do Rio, no Centro. A participação de Indio foi um convite da entidade feito a todos os candidatos. No encontro, o grupo entregou ao parlamentar as propostas do setor.

Os empresários apresentaram cinco prioridades a Indio da Costa: respeito aos contratos com a prefeitura, melhorias da gestão pública e do processo de licitação, e prioridade para as obras em andamento e para conservação da cidade. Em seu discurso, o deputado debateu seu plano de governo e respondeu as perguntas da plateia.

– Podem ter certeza: vou cumprir os contratos. Além disso, vou organizar e otimizar a prefeitura. O meu perfil é de gestor. Sou o candidato mais preparado. Sei como fazer. Fui secretário municipal de Administração. Conheço os problemas da prefeitura – ressaltou ele.

_DSC1594
Em entrevista ao Sisep, Indio anunciou que fará auditoria em secretarias municipais caso seja eleito

Indio da Costa também concedeu entrevista ao Sindicato dos Servidores Públicos Municipais do Rio (Sisep). O candidato anunciou que fará auditoria em secretarias municipais caso seja eleito. Ele defendeu a transparência em informações envolvendo as Organizações Sociais (OS) e empresas terceirizadas.

– A prefeitura tem 57 órgãos de primeiro escalão. É um absurdo. A máquina pública está inchada e cheia de cabos eleitorais do PMDB e de partidos aliados – disse Indio da Costa.

Pela manhã, o candidato esteve no Terminal Alvorada, na Barra da Tijuca, na Zona Oeste, onde conversou com os usuários de ônibus e ouviu as principais reclamações dos passageiros relativas ao sistema BRT.

Violência é tema de encontro entre Indio e Dom Orani

Violência é tema de encontro entre Indio e Dom Orani

Indio da Costa detalhou como funcionaria nova Secretaria de Segurança Pública em seu governo    

O candidato a prefeito do Rio pelo PSD, Indio da Costa, se encontrou nesta terça-feira com o cardeal Dom Orani Tempesta, arcebispo da cidade, no Palácio São Joaquim, na Glória, na Zona Sul.

Acompanhado do vice da chapa, deputado federal Hugo Leal (PSB), Indio foi recebido em um almoço pelo religioso e também por bispos auxiliares e por vigários episcopais.

_DSC1333
Indio da Costa e Dom Orani conversaram sobre os problemas enfrentados pela população do Rio

Indio da Costa e Dom Orani conversaram sobre os problemas enfrentados pela população do Rio. O candidato apresentou as principais propostas de seu plano de governo caso seja eleito, como saúde, educação, transportes e gestão. No entanto, o destaque foi a violência no município. Indio explicou detalhes sobre a criação da Secretaria municipal de Segurança Pública.

– Os órgãos de manutenção da cidade e a guarda municipal vão para a Secretaria municipal de Segurança Pública. Entendemos que uma área degradada atrai a violência. Então, a ideia é trabalhar com a iluminação, cuidar dos parques e jardins e requalificar a guarda para que ela se faça presente. Tudo num trabalho em conjunto – disse.

Segundo Indio da Costa, a nova pasta não aumentará os custos da prefeitura:

– Eu vou criar a secretaria sem nenhum custo a mais e nem para nenhum carioca. Vamos reestruturar o quadro administrativo.

Em junho, Dom Orani passou por um tiroteio. O cardeal permaneceu por dez minutos se protegendo dos disparos, até poder seguir para o aeroporto. O religioso foi surpreendido durante um ataque a Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) dos morros Fallet e Fogueteiro, em Santa Teresa, no Centro do Rio. Foi a terceira vez em que ele viveu de perto a insegurança da cidade. Entre setembro de 2014 e julho de 2015, o arcebispo foi vítima de dois assaltos a mão armada.

– A lei federal 13.022 entregou para as prefeituras do Brasil inteiro a responsabilidade de cuidar da vida das pessoas. O que a gente vai fazer é executar essa lei em conjunto com o governo do estado: abrindo as informações dos hospitais e das escolas. Só por ali, a polícia civil tem muita informação para avançar com as investigações que muitas vezes ficam paradas – ressaltou Indio.

O candidato comentou a visita ao religioso:

– Dom Orani foi assaltado duas vezes, ficou em meio a um tiroteio, teve o celular roubado. Conversei com ele e mostrei que, com tecnologia, a gente pode evitar esses assaltos por causa de celular, inutilizando o aparelho e evitando esse tipo de roubo. Esse é um passo importante e é um desafio para o próximo prefeito.

Pela manhã, Indio da Costa fez uma visita técnica pelo sistema lagunar da Baixada de Jacarepaguá a convite do biólogo Mário Moscatelli.

Indio da Costa debate plano de governo com universitários

Indio da Costa debate plano de governo com universitários

Segurança pública, gestão, saúde, educação e transportes são prioridades para Indio           

O candidato a prefeito do Rio pelo PSD, deputado federal Indio da Costa, realizou nesta segunda-feira, uma palestra para 150 alunos da Faculdades Integradas Hélio Alonso (Facha), em Botafogo, na Zona Sul. No encontro, Indio apresentou as propostas de seu plano de governo. Ele respondeu a perguntas de estudantes sobre segurança pública, gestão, saúde, educação e transportes. O parlamentar gravou também uma entrevista à TV da instituição.

Indio debate com universitários sobre segurança, gestão, saúde, educação e transportes
Indio debate com universitários sobre segurança, gestão, saúde, educação e transportes

No discurso, Indio da Costa lembrou ainda do aumento abusivo na cobrança do IPTU de imóveis em determinadas áreas da cidade. Além disso, o candidato ressaltou a importância do papel da guarda municipal conforme prevê a lei federal 13.022, aprovada em 2014, mas que até hoje não é cumprida pela atual administração. A corporação fará parte da Secretaria municipal de Segurança Pública, pasta a ser criada caso seja eleito.

– Cada pessoa esfaqueada no Rio também é de responsabilidade da prefeitura. Quero que a guarda municipal seja capaz de proteger as pessoas, como determina a nova legislação, e não apenas o patrimônio público. Nas vias expressas, vamos instalar câmeras de alta precisão para ajudar a polícia e a justiça a identificar os bandidos e prendê-los – disse o deputado.

Paulo Matos, aluno do 7º período de jornalismo, questionou Indio da Costa sobre a Secretaria municipal de Segurança Pública. Ele quis saber se a proposta provocaria aumento de custos nas contas da prefeitura. O candidato respondeu:

– Hoje a prefeitura gasta R$ 1 bilhão para atender partidos políticos com nomeações dentro das Organizações Sociais e em empresas terceirizadas. A minha ideia é redesenhar o sistema administrativo da prefeitura e atender serviços essenciais para a população.

Na saúde, Indio da Costa se comprometeu a priorizar a gestão dos recursos e a transparência em hospitais, postos de saúde e outras unidades com o objetivo de melhorar o atendimento aos pacientes. O candidato destacou que pretende estudar a legalização de imóveis localizados em condomínios e loteamentos por meio de títulos de propriedade.