Indio da Costa participa de encontro com comerciantes em Madureira

Indio da Costa participa de encontro com comerciantes em Madureira

Indio vai intensificar o patrulhamento com guardas municipais em Madureira           

Candidato a prefeito do Rio pelo PSD, o deputado federal Indio da Costa participou nesta sexta-feira de um almoço com os lojistas no Mercadão de Madureira, na Zona Norte. Ele estava acompanhado de seu vice na chapa, o também deputado federal Hugo Leal (PSB), e da presidente nacional do PMB, Suêd Haidar. No encontro, Indio ouviu as principais reivindicações dos comerciantes da região. Entre elas, a falta de segurança e a desordem nas calçadas.

Indio fala com comerciantes sobre prioridades para Madureira
Indio fala com comerciantes sobre prioridades para Madureira

No discurso, Indio da Costa afirmou que para resolver os problemas apontados pelos lojistas intensificará o patrulhamento de guardas municipais. A corporação, segundo ele, será integrada à Secretaria municipal de Segurança pública, pasta que ele criará caso seja eleito. O candidato recebeu reclamações como assaltos, presença de usuários de drogas e ocupação irregular de vendedores ambulantes.

– A Guarda Municipal terá uma presença maior em Madureira. Além disso, usaremos tecnologia, incluindo câmeras de segurança de alta precisão para ajudar o ordenamento urbano. Assim, teremos uma maior fiscalização. Andar nas calçadas de Madureira hoje é uma aventura. Há uma grande rede, com alto lucro, que vendem os mesmos produtos dos comerciantes de forma irregular nas ruas sem pagar imposto. É uma concorrência desleal. Temos espaço para todo mundo trabalhar. Se eleito, vou organizar esse mercado informal. Já fiz isso em Copacabana e Leme, quando era administrador regional – ressaltou o deputado.

Só no Mercadão de Madureira existem pelo menos 600 lojas. De acordo com Pedro Silva, presidente da Associação Comercial do Grande Mercado de Madureira, passam pelo local cerca de 40 mil pessoas por dia. Em datas comemorativas, o número chega a 90 mil consumidores.

– Os camelôs precisam trabalhar, mas não podem quebrar o mercado formal. A fiscalização da prefeitura só passa uma vez por ano por aqui – disse a lojista Conceição da Silva, de 53 anos.

Indio da Costa apontou também como prioridades para Madureira a presença dos serviços essenciais aos moradores, como iluminação pública. Nesta sexta-feira, o deputado também fez uma caminhada pelo bairro do Méier, acompanhado de candidatos vereador da coligação.

 

Indio da Costa anuncia criação da Secretaria municipal de Segurança Pública

Indio da Costa anuncia criação da Secretaria municipal de Segurança Pública

O candidato a prefeito do Rio pelo PSD, deputado federal Indio da Costa, visitou neste sábado o Centro de Abastecimento do Estado da Guanabara (Cadeg), em Benfica. Ao lado da presidente nacional no PMB, Suêd Haidar, e de candidatos a vereador da coligação, Indio percorreu corredores do local e pediu votos em restaurantes e lojas. O parlamentar participou ainda de uma festa portuguesa e ouviu reivindicações, principalmente sobre a falta de segurança na região. Ele anunciou a criação da Secretaria municipal de Segurança Pública.

O parlamentar participou ainda de uma festa portuguesa e ouviu reivindicações, principalmente sobre a falta de segurança na região.
Indio participou de uma festa portuguesa e ouviu reivindicações, principalmente sobre a falta de segurança na região.

– O presidente do Comitê Olímpico Brasileiro (COI), Thomas Bach, deixará do Rio. Ele disse que foi tudo muito bem com os Jogos Olímpicos. Isso é maravilhoso para a cidade! Mas, na Cadeg, como em todo o Rio, as pessoas dizem que a violência está insuportável. E quando a Força Nacional de Segurança e o Exército forem embora? Falta pouco para isso ocorrer. Se eu for eleito prefeito, vou criar a Secretaria municipal de Segurança Pública para trabalhar junto com o governo do estado – afirmou o deputado.

O mercado popular do Cadeg conta com aproximadamente 700 lojas, incluindo restaurantes e estabelecimentos de vendas de frutas, bebidas, decoração e flores, entre outros. Proprietário há 24 anos do tradicional Cantinho das Concertinas, Carlos Cadavez, de 70, o Carlinhos, contou que já foi assaltado várias vezes no bairro.

– Já pedimos policiamento, mas não conseguimos. A guarda municipal poderia ajudar neste patrulhamento. Muitas pessoas deixam de vir aqui por causa da violência – ressaltou Carlinhos.

Segundo Indio da Costa, a Secretaria municipal de Segurança Pública fará o planejamento, o monitoramento, a implantação e a avaliação de políticas de segurança para prevenir o crime e reduzir a violência no Rio.

O mercado popular do Cadeg conta com aproximadamente 700 lojas
O mercado popular do Cadeg conta com aproximadamente 700 lojas

– Nossa proposta passa pela requalificação da guarda municipal e de diversos órgãos da prefeitura para atuar com tecnologia de ponta, dados e fatos processados por um sistema de informações de de inteligência, além de intensificar a presença física da guarda municipal nas ruas – destacou o candidato.

‘A Lei da Ficha Limpa mudou o Brasil’, diz Indio da Costa na Zona Oeste

‘A Lei da Ficha Limpa mudou o Brasil’, diz Indio da Costa na Zona Oeste

O candidato a prefeito do Rio pelo PSD, deputado federal Indio da Costa, participou de uma caminhada nesta sexta-feira por bairros da Zona Oeste da cidade. Ele percorreu o calçadão de Bangu e ruas de Padre Miguel e Campo Grande ao lado do candidato a vice, o também deputado federal Hugo Leal (PSB), e da presidente nacional do PMB, Suêd Aidar, além de candidatos a vereador da coligação. No percurso, Indio defendeu a Lei da Ficha Limpa, da qual foi relator.

Indio da Costa, participou de uma caminhada nesta sexta-feira por bairros da Zona Oeste da cidade.
Indio da Costa, participou de uma caminhada nesta sexta-feira por bairros da Zona Oeste da cidade.

–  A Lei da Ficha Limpa mudou o Brasil e mudou para melhor. Eu respeito muito o Supremo e, de fato, quero fazer uma defesa veemente da lei e dizer que não é uma lei dos políticos ou dos deputados, mas, sim, uma lei da sociedade brasileira que precisa seguir adiante – disse.

A declaração de Indio da Costa ocorreu após um debate travado no Supremo Tribunal Federal (STF). Em sessão na última semana, o ministro Gilmar Mendes disse que a Lei da Ficha Limpa parece ter sido feita “por bêbados”. Já o ministro Luís Roberto Barroso rebateu. Segundo ele, a legislação é “sóbria” e “importante”.

De iniciativa popular, a Lei da Ficha Limpa teve o apoio de vários setores da sociedade e foi aprovada em 2010. Ela determina que as pessoas que tiverem as contas relativas ao exercício de cargos ou funções públicas rejeitadas por irregularidade ficam inelegíveis por oito anos a partir da decisão. A norma também impede a candidatura de condenados pela segunda instância da Justiça.

– Eu não vou entrar nesta polêmica. Tem um ministro que diz que o pessoal estava bêbado, tem outro que diz que é uma lei sóbria. O país depende de políticos que sejam corretos e que tenham como objetivo servir as pessoas e não se servir do poder público. Muito menos aqueles que se candidatavam só para se proteger de um crime que já tinham cometido – ressaltou o deputado.

No calçadão de Bangu, Indio conversou com moradores e comerciantes. O candidato ouviu várias reclamações sobre o aumento do IPTU e a falta de médicos em hospitais e Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) municipalizadas da Zona Oeste.

Indio ouviu reclamações sobre o aumento do IPTU e ausências de médicos em hospitais da Zona Oeste.
Indio ouviu reclamações sobre o aumento do IPTU e ausências de médicos em hospitais da Zona Oeste.

O parlamentar também pediu votos em Padre Miguel e, depois, participou de um encontro com moradores de um condomínio construído pelo programa “Minha Casa, Minha Vida”, do Governo Federal, em Campo Grande. No local, onde deveriam haver uma creche ou uma unidade de saúde, como contrapartida da prefeitura, o terreno está vazio.

Indio da Costa faz caminhada pela Zona Sul do Rio

Indio da Costa faz caminhada pela Zona Sul do Rio

Candidato a prefeito do Rio pelo PSD, o deputado federal Indio da Costa participou nesta quinta-feira de uma caminha pela Zona Sul da cidade. Ele percorreu bairros como Ipanema, Copacabana e Botafogo. Durante o trajeto, o parlamentar conversou com moradores, comerciantes e guardas municipais. O parlamentar destacou a importância de se fazer um planejamento voltado para o turismo após a Olimpíada.

Indio destacou a importância de se fazer um planejamento voltado para o turismo após a Olimpíada.
Indio destacou a importância de se fazer um planejamento voltado para o turismo após a Olimpíada.

– Os Jogos Olímpicos estão acabando e os hotéis começam a ficar vazios. É preciso ter um planejamento para o Rio a partir de agora. Em 1998, como vereador, participei da elaboração de um plano, que foi aprovado na Câmara. Desde então, não se planejou mais nada neste sentido. Como prefeito, é focar no setor para gerar emprego e renda para o carioca – disse.

Indio da Costa citou como exemplo também de incentivo à economia a recuperação de áreas degradadas:

– Os quiosques de flores surgiram na década de 1990, durante o primeiro governo César Maia. O conceito foi pegar uma área degradada e transformá-la numa área ocupada com alguma atividade econômica que fosse bacana para cidade. Ali, você dava uma oportunidade de trabalho para quem fosse atuar nos quiosques, que passava a cuidar do entorno. Iniciativas como estas são simples, geram emprego, renda e, sem dúvida, devem ser apoiadas e multiplicadas.

Indio conversou com moradores, comerciantes e guarda municipais.
Indio conversou com moradores, comerciantes e guarda municipais.

O candidato conversou ainda sobre sua proposta de governo na área de Segurança Pública, que será prioridade caso seja eleito:

– Em 2014, o papel do Município na segurança foi regulamentado pela Lei 13.022. A atual gestão não respeitou essa lei em sua plenitude! Vamos garantir o direito de ir e vir do carioca com apoio tecnológico, sistema de informações e inteligência, além da presença física da guarda municipal e de toda a estrutura pública municipal de modo a evitar a desordem urbana, principal semente para a violência.

Indio da Costa faz caminhada em Madureira ao lado do vice Hugo Leal

Indio da Costa faz caminhada em Madureira ao lado do vice Hugo Leal

O candidato a prefeito do Rio pelo PSD, deputado federal Indio da Costa, participou nesta quarta-feira de uma caminhada em Madureira, na Zona Norte. Ele estava acompanhado do seu candidato a vice, o também deputado federal Hugo Leal (PSB), e da presidente nacional do PMB, Suêd Aidar. Os três percorreram o centro comercial do bairro e estiveram com representantes do setor no Mercadão de Madureira.

Indio da Costa faz caminhada em Madureira ao lado de Hugo Leal e Suêd Aidar
Indio da Costa faz caminhada em Madureira ao lado de Hugo Leal e Suêd Aidar

A prefeitura, se eu for eleito, vai trabalhar em cima do microcrédito e, principalmente, na área de segurança pública, complementando a atuação da política militar, que não pode estar em todos os lugares ao mesmo tempo. Vamos preparar e requalificar a Guarda Municipal para isso – disse Indio da Costa em entrevista à rádio do Mercadão.

Em seguida, foi a vez de Hugo Legal:
Assumi um compromisso com o Indio de entregar à população uma cidade melhor. Pôr para funcionar o que não está funcionando. Estou no meu terceiro mandato de deputado federal e sou autor da Lei Seca, que trouxe conscientização no trânsito. É possível fazer uma campanha limpa, mostrando o que está errado para resolver.

No local, Indio da Costa reuniu-se com Horácio Afonso, presidente da Associação Comercial de Madureira, e com Pedro Silva, presidente da Associação Comercial do Grande Mercado de Madureira (ACOGRAMM). No encontro, o candidato recebeu as principais reivindicações das duas entidades, entre elas em relação à desordem no comércio informal da região.

Indio reuniu-se com Horácio Afonso, presidente da Associação Comercial de Madureira, e com Pedro Silva, presidente da Associação Comercial do Grande Mercado de Madureira (ACOGRAMM).
Indio reuniu-se com as associações comerciais do bairro de Madureira e região.

O comércio ambulante não está organizado. Ocupa toda a calçada, atrapalhando os pedestres e os comerciantes. É preciso que tenhamos um espaço para que todos trabalhem de forma planejada. Falta a presença da Guarda Municipal. Já pedimos o apoio da prefeitura, mas alegam que há um problema de contingente. Não há efetivo suficiente. Na nossa opinião, falta comprometimento da atual gestão da prefeitura – ressaltou Horácio Afonso.

Indio começou a pedir votos já no início da manhã. Embarcou logo cedo na estação do metrô General Osório, em Ipanema, na Zona Sul, e seguiu até a Central do Brasil, de onde embarcou num trem até Madureira. Nas ruas, o deputado posou para fotos e vídeos com os eleitores e recebeu reclamações relativas a problemas de infraestrutura no bairro. Próximo à estação, Indio foi convidado por um pastor a participar de uma oração de uma igreja evangélica.

Nas ruas, o deputado posou para fotos e vídeos com os eleitores e recebeu reclamações relativas a problemas de infraestrutura no bairro.
Indio da Costa posou para fotos com eleitores e recebeu reclamações sobre os muitos problemas de ordem pública do bairro.

Acompanhado também por candidatos a vereador pelo PSD, PSB e PMB, Indio da Costa ouviu palavras de incentivo de sua aliada, Suêd Aidar.

O Indio é o melhor candidato. A campanha está apenas começando e nós vamos chegar no segundo turno – afirmou Suêd.

Guarda Municipal é polícia, sim, senhor.

Guarda Municipal é polícia, sim, senhor.

A polícia no modelo tradicional perdeu a capacidade de proteger a população. Por vários motivos, um deles o olhar míope, que tira das prefeituras a responsabilidade de, pelo menos, ajudarem a resolver o problema com a participação direta e eficaz das Guardas Municipais.

Indio da Costa defendeu aplicação da Lei 13.022 em encontro com a Frente Manifestante da GM do Rio.
Indio defendeu aplicação da Lei 13.022 em encontro com a Frente Manifestante da Guarda Municipal do Rio.

Chamou a minha atenção de pronto, pelo título, “Guarda Municipal não é polícia”, o artigo do Procurador Marrey, porque tenho dedicado boa parte do meu tempo aos estudos da segurança pública, concentrado no papel, que cabe às prefeituras neste contexto. A Guarda Municipal é o braço do modelo, principalmente, após a Lei 13.022 de 2014.

O artigo é evocação da “velha ordem”, para oxigenar um modelo que, sem dúvida, está dissolvido como alternativa de combate ao crime e a violência.

É preciso refazer o sistema e com urgência. Se há mesmo entraves legal à revisão, então, que, imediatamente, se providencie as mudanças, porque ele faz vítimas todas as horas do dia e em todos os lugares das cidades.
Por conhecer as dificuldades imensas pelas quais passam as polícias tradicionais, dou outro sentido ao título do artigo do Procurador Marrey. Que bom que “Guarda Municipal não é polícia”. Mas, por saber o quanto a sociedade brasileira precisa de uma polícia eficaz, uma polícia que aja em defesa da cidadania, digo que é uma pena que a Guarda Municipal ainda não seja essa polícia. Precisa ser, porque o custo delas, a sociedade já absorve.

Na minha cidade, Rio de Janeiro, a Guarda Municipal custa aos contribuintes algo em torno de R$ 500 milhões/ano e é reconhecida pela população como peso morto, porque o Prefeito Eduardo Paes foge da responsabilidade de cuidar da segurança como o diabo foge da cruz.  Ele não permite que o contingente de guardas municipais cumpra qualquer outra função a não ser posicionar-se nas esquinas das ruas, sem competência atribuída para qualquer atividade de prevenção. A posição do prefeito desrespeita a população, os profissionais da Guarda e faz pouco do dinheiro do contribuinte.

A Guarda precisa ser treinada, equipada e reorganizada. Assim, poderá assumir o papel na segurança preventiva e preservar vidas.
A Guarda precisa ser treinada, equipada e reorganizada. Assim, poderá assumir o papel na segurança preventiva e preservar vidas.

O modelo está exaurido e não há como nem razão para tentar restaurá-lo. É preciso aproveitar as inovações, caso da Lei 13.022/2014, para seguir em frente e reformar por completo o sistema.

O Procurador Marrey está certo. Certíssimo, quando diz que não se pode aceitar em nome da necessidade de segurança pública, o abuso e a ilegalidade. Também quando diz que “a lei autoriza o uso da força de maneira legítima e estrita”. E, novamente, quando afirma que “o Estado de Direito deve valer para todos, exigindo que a violência e a ilegalidade sejam coibidas e punidas, venham elas de criminosos comuns ou de agentes públicos”.

Acontece que também não se pode aceitar que predomine a insegurança, a perda de vidas, a violência e todo tipo de ilegalidade cometido pelos criminosos, que agem com o beneplácito de um sistema carcomido e imprestável, porque há dogmas que impedem a reforma e existe a força do judiciário para barrar o efetividade das mudanças, que já conquistamos. A sociedade precisa, mais do que nunca, que a Guarda Municipal seja, sim, uma polícia treinada, equipada e preparada para, nas ruas, garantir o direito de ir e vir de todos, exceto dos que às ruas vão para cometer crimes e violência contra as pessoas de bem. Para o Rio de Janeiro a mudança é caso de vida ou morte.