‘É o servidor que vai me levar para o segundo turno’, diz Indio

‘É o servidor que vai me levar para o segundo turno’, diz Indio

Candidato divulgou carta aos funcionários municipais com críticas à gestão de Paes          

RIO — Na porta da prefeitura do Rio, na Cidade Nova, o candidato Indio da Costa (PSD) distribuiu nesta quarta-feira uma carta aberta aos servidores municipais em que faz críticas à gestão de Eduardo Paes e às promessas de Pedro Paulo (PMDB) para a melhoria dos serviços públicos. Citando dados da Previ-Rio, Indio afirma no documento que os recursos disponíveis nos fundos de previdência e assistência dos servidores caíram de R$ 2,205 bilhões, em 2008, para R$ 153 milhões, em dezembro de 2015. Ele acusa Paes de usar o dinheiro aplicado para ampliar o caixa da prefeitura e realizar mais obras na cidade.

— É o servidor que vai me levar para o segundo turno. Eles reconhecem minha capacidade de trabalho. Trabalhei na prefeitura durante dez anos. Na Secretaria de Administração, fiz um trabalho forte com a Educação — aposta Indio, que acredita também ter força entre o eleitorado de classe média baixa que cobra melhoria dos serviços públicos.

— Decidi ser candidato por conta desse momento que pede solução delicada.

Sem a possibilidade de entrar no edifício que abriga a prefeitura do Rio, o candidato do PSD distribuiu panfletos do lado de fora e conversou com os passantes. A legislação eleitoral proíbe atos de campanha em órgãos públicos.

— Só o Pedro Paulo pode entrar — criticou.

Indio voltou a defender sua proposta de integrar categorias funcionais na prefeitura que deixaram de existir, como datilógrafos, em categorias mais amplas.

— São 111 categorias. Imagina se você reajustar essa multidão e aproveitar seu trabalho. Não precisa ficar concursado.

Fonte: O Globo 21/09/2016

 

‘O percentual de indecisos caminha na minha direção’, diz Indio sobre Ibope

‘O percentual de indecisos caminha na minha direção’, diz Indio sobre Ibope

Na briga pelo segundo lugar, candidato do PSD aposta na oposição a Crivella        

RIO — Após subir dois pontos percentuais em intenções de voto, de acordo com a pesquisa realizada pelo Ibope e divulgada nesta quarta-feira, o candidato do PSD Indio da Costa quer convencer na reta final da campanha os eleitores indecisos e conquistar o apoio dos que não querem Marcelo Crivella (PRB) na prefeitura do Rio. Com 7% da intenções de voto e tecnicamente empatado no segundo lugar com Marcelo Freixo (PSOL), Pedro Paulo (PMDB), Flávio Bolsonaro (PSC) e Jandira Feghali (PCdoB), Indio acredita que conseguirá se distanciar dos concorrentes divulgando seu perfil e experiência em gestão.

— Meu distanciamento em relação aos demais ocorrerá porque nenhum tem a minha experiência de gestão. Agora que ele ficou para trás, o eleitor do (Carlos) Osório (PSDB) caminha para mim. A rejeição grande ao Pedro Paulo o impedirá de crescer. O percentual de indecisos caminha na minha direção — afirmou Indio nesta quinta-feira, durante uma visita ao Largo do Machado, Zona Sul do Rio.

Segundo o Ibope, 19% dos eleitores votarão branco ou nulo, enquanto 4% não sabem em quem votar. Indio também vê a possibilidade de ganhar votos transferidos dos demais candidatos por, na sua avaliação, ter baixa rejeição e maiores chances de ganhar do Crivella no segundo turno. Indio minimizou o crescimento de Crivella, segundo a pesquisa. O candidato do PRB subiu quatro pontos percentuais e passou a ter 31% dos votos.

— O resultado está inchado. O Crivella tem dois problemas: o Edir Macedo e o (Anthony) Garotinho. A pesquisa ocorre em um momento em que os eleitores não pensam muito em quem votar. As últimas 48 horas é que serão decisivas. O eleitor vai identificar aquele que tem mais chances de ganhar do Crivella no segundo turno. No segundo turno, sem a presença dos candidatos inicialmente escolhidos, eu sou a primeira opção para receber o voto em todos os casos — avaliou.

O candidato do PSD destaca que Freixo — na segunda posição, se desconsiderada a margem de erro — é mais conhecido entre a população carioca e mesmo assim caiu na comparação com a pesquisa anterior. Para ele, embora Freixo tenha uma taxa de rejeição menor, a campanha do candidato do PSOL pode ser prejudicada pela denúncia do Ministério Público contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, mesmo que seu partido faça oposição ao PT.

— A esquerda fica sem discurso. Além disso, eles votaram contra o impeachment de Dilma, que teve como pano de fundo o desemprego e a corrupção — defende Indio.

Fonte: Jornal O Globo – 15/09/2016

‘Você paga muito imposto e não recebe de volta o serviço de qualidade’, afirma Indio da Costa

‘Você paga muito imposto e não recebe de volta o serviço de qualidade’, afirma Indio da Costa

“O aumento do IPTU se deu de forma sorrateira”            

O candidato a prefeito do Rio Indio da Costa (PSD) quer implementar um modelo de administração participativa na cidade. Ex-secretário de Esportes e Lazer da atual gestão, o deputado federal, que foi um dos relatores da Lei da Ficha Limpa, se considera opositor de Eduardo Paes e tece críticas ao candidato da situação, Pedro Paulo (PMDB). “Ele nunca foi gestor de nada”, afirma.

No slogan que norteia suas propagandas na televisão, Indio diz que “vai botar para funcionar o que não está funcionando”. A mensagem — um tanto vaga, segundo ele próprio — é explicada como uma forma de facilitar a vida dos contribuintes. “Você paga muito imposto e não recebe de volta o serviço de qualidade”, critica o candidato.

Indio em entrevista para o jornal O Dia
Indio da Costa em entrevista para o jornal O Dia

O DIA: Explique a sua ideia de administração participativa.

INDIO: Quem vai governar a cidade são os cariocas, através dos servidores. Você não está em todos os lugares. Se tem 3 milhões de pessoas que são usuárias do sistema de Saúde, e elas disserem que o médico está atrasado, que não aparece para trabalhar, que não tem seringa, agulha… Por uma tela na sala do prefeito, você fica acompanhando onde estão os problemas e consegue fazer as intervenções para solucionar o que se entende como problema.

Informatizando a rede?

Mais que isso. É dar acesso às pessoas, por aplicativo de celular, a uma espécie de acompanhamento da cidade. O que acontece com o Uber? O processo inteiro é acompanhado pelo sistema, que é exatamente a mesma coisa que eu estou propondo à Saúde. Você entregar nas mãos dos cidadãos o direito de entrar no aplicativo. Hoje, quem faz o acompanhamento é a administração, não é o usuário. Em tudo. Transporte, Educação, Saúde e assim por diante.

Você é a favor das Organizações Sociais de Saúde?

Elas podem contribuir onde há um vazio na administração. É um complemento. Você não vai conseguir médicos para trabalhar em Santa Cruz, Campo Grande, Realengo, Padre Miguel, Acari. Hoje, as OSs viraram a espinha dorsal. Tem que ter uma auditoria, transparência. A primeira coisa é publicar no Diário Oficial o nome de todos os profissionais contratados nas OSs, com o salário, a carga horária e a função. Pegar todas as informações e colocar na entrada de cada unidade de saúde.

Isto não pode causar constrangimento e um colapso no sistema?

O dinheiro é público. Quem paga é você. No servidor concursado, tudo bem não colocar. Mas no terceirizado, ou você dá o máximo de transparência ou fica como está hoje. As pessoas sabem que os cabos eleitorais do Pedro Paulo estão contratados pela Assembleia Legislativa, pela Câmara, pela Prefeitura, Estado. É usar o estado para se manter no poder.

Você acha que realmente existe o risco de o servidor municipal passar pelos mesmos problemas dos estaduais?

Basta pegar os dados do Tribunal de Contas para ter certeza de que existe o risco. Se houver a continuidade do governo Eduardo Paes com o Pedro Paulo, o servidor vai ficar sem receber.

Você é a favor de armar a Guarda Municipal?

Sou a favor de ir muito além desta discussão. Ela tem que ser presente, mas com informação, tecnologia e inteligência. A Guarda hoje não poderia portar arma. Precisa avançar muito em qualificação técnica, informação, tecnologia.

E a promessa de reduzir o IPTU. Como vai ser?

O aumento do IPTU se deu de forma sorrateira. Vou devolver o dinheiro em todos os casos de quem teve aumento abusivo. E vou cancelar a cobrança daqueles que não puderam pagar.

Não é complicado você, Jandira e Osório dizerem que são oposição se sempre fizeram parte do governo do Eduardo Paes?

O drama deles é completamente diferente. Trabalhei um ano no governo. O Eduardo abriu um espaço na secretaria de Esportes e não me deixou fazer nada. É diferente do Osório, que nasceu no ventre do Paes. O prefeito pediu que eu apoiasse o Pedro. Eu fui almoçar com ele e saí de lá preocupadíssimo. Pensei: “Se esse cara for prefeito, o Rio de Janeiro está liquidado”. Percebi muito despreparo nele.

Mas o prefeito sempre se referiu ao Pedro Paulo como um supersecretário, Primeiro Ministro…

O Pedro Paulo era um assessor do Eduardo, muito próximo. Mas nunca foi gestor de nada. O que ele já fez? Qual é a marca do Pedro Paulo?

Por falar em polêmica, e aquela sua antiga ideia de multar quem der esmola para mendigo, típica da direita?

É que eu fazia parte de um governo (Cesar Maia) especializado em factoide (risos)

O Crivella também faz acusações a você citando a CPI da Merenda. Como você responde a isso?

Eu quebrei o cartel. Os documentos do Tribunal de Contas e do Ministério Público estão no meu site e eu, quando for prefeito, continuarei quebrando cartéis.

E a acusação de que a empresa Comercial Milano teria sido privilegiada?

Teve a licitação e quem venceu não quis assinar o contrato porque queria que eu refizesse a licitação para aumentar o preço do produto e ter um lucro maior. A Milano assumiu o lugar do primeiro colocado com o preço do primeiro colocado.

Você chegou a ser acusado, pela vereadora Andréa Gouvêa Vieira (PSDB), de conduzir de forma autoritária as sessões da Comissão de Finanças, quando a presidia.

Não me lembro. A Andréa ficava dando ‘piti’ porque tinha problema com o Cesar Maia. Mas isso é uma coisa normal da democracia.

Fonte: Jornal O Dia – 11/09/2016

‘Sou capaz de tirar a prefeitura do Crivella no segundo turno’, diz Indio

‘Sou capaz de tirar a prefeitura do Crivella no segundo turno’, diz Indio

Candidato aposta em sua própria biografia e no ataque a adversários para conquistar votos      

O candidato Indio da Costa (PSD), que ressalta desde o início da campanha suas críticas à gestão de Eduardo Paes, disparou nesta sexta-feira também contra Marcelo Crivella (PRB), líder na disputa pela prefeitura do Rio, de acordo com levantamentos do Ibope e do Datafolha. Durante uma visita a Botafogo, na Zona Sul do Rio, Indio afirmou que é capaz de “tirar de Crivella a prefeitura” em um eventual segundo turno e citou uma suposta influência do bispo Edir Macedo, fundador da Igreja Universal, e do ex-governador do Rio Anthony Garotinho sobre o candidato do PRB.

— Sou capaz de tirar a prefeitura do Crivella no segundo turno. Preciso da ajuda de quem me apoia para ir para a rua pedir votos. Você que está votando em branco ou nulo, alguém está escolhendo por você. E provavelmente é um fiel da Igreja Universal — disse.

Indio conversou com comerciantes e moradores de Botafogo
Indio conversou com comerciantes e moradores do bairro de Botafogo.

O jornal O Globo procurou a assessoria de imprensa de Crivella para comentar a declaração de Indio da Costa, mas ainda não obteve resposta.

Para conquistar votos, melhorar seu desempenho nas próximas pesquisas de intenção de voto e chegar ao segundo turno, o deputado federal tem apostado, no início da campanha, na divulgação da própria biografia e também nos ataques aos adversários, especialmente Pedro Paulo (PMDB), candidato apoiado pelo prefeito Eduardo Paes, a quem acusa de cometer ‘estelionato eleitoral’ durante a campanha. A partir desta sexta-feira, suas propostas de governo devem ganhar mais destaque no horário eleitoral e nas inserções na TV.

Enquanto os escândalos de corrupção aumentam o desânimo dos eleitores com a política, Indio costuma se apresentar no rádio, TV e na internet como o relator da Lei da Ficha Limpa e evocar a apresentação na Câmara de projetos de lei com as medidas anticorrupção defendidas pelo Ministério Público Federal.

Alguém vai ser eleito prefeito e nenhum candidato tem a história que eu tenho. Falo com o eleitor que está incomodado — ressalta.

Fonte: Jornal O Globo – 09/09/16

 

Indio da Costa diz que fará auditoria em secretarias municipais

Indio da Costa diz que fará auditoria em secretarias municipais

Indio defende maior transparência nas informações da prefeitura do Rio                

_DSC1669
Indio debate plano de governo com empresários da construção civil

O candidato a prefeito do Rio pelo PSD, deputado federal Indio da Costa, conversou na tarde desta quinta-feira com 60 empresários da área da construção civil na sede da Associação das Empresas de Engenharia do Rio, no Centro. A participação de Indio foi um convite da entidade feito a todos os candidatos. No encontro, o grupo entregou ao parlamentar as propostas do setor.

Os empresários apresentaram cinco prioridades a Indio da Costa: respeito aos contratos com a prefeitura, melhorias da gestão pública e do processo de licitação, e prioridade para as obras em andamento e para conservação da cidade. Em seu discurso, o deputado debateu seu plano de governo e respondeu as perguntas da plateia.

– Podem ter certeza: vou cumprir os contratos. Além disso, vou organizar e otimizar a prefeitura. O meu perfil é de gestor. Sou o candidato mais preparado. Sei como fazer. Fui secretário municipal de Administração. Conheço os problemas da prefeitura – ressaltou ele.

_DSC1594
Em entrevista ao Sisep, Indio anunciou que fará auditoria em secretarias municipais caso seja eleito

Indio da Costa também concedeu entrevista ao Sindicato dos Servidores Públicos Municipais do Rio (Sisep). O candidato anunciou que fará auditoria em secretarias municipais caso seja eleito. Ele defendeu a transparência em informações envolvendo as Organizações Sociais (OS) e empresas terceirizadas.

– A prefeitura tem 57 órgãos de primeiro escalão. É um absurdo. A máquina pública está inchada e cheia de cabos eleitorais do PMDB e de partidos aliados – disse Indio da Costa.

Pela manhã, o candidato esteve no Terminal Alvorada, na Barra da Tijuca, na Zona Oeste, onde conversou com os usuários de ônibus e ouviu as principais reclamações dos passageiros relativas ao sistema BRT.

Violência é tema de encontro entre Indio e Dom Orani

Violência é tema de encontro entre Indio e Dom Orani

Indio da Costa detalhou como funcionaria nova Secretaria de Segurança Pública em seu governo    

O candidato a prefeito do Rio pelo PSD, Indio da Costa, se encontrou nesta terça-feira com o cardeal Dom Orani Tempesta, arcebispo da cidade, no Palácio São Joaquim, na Glória, na Zona Sul.

Acompanhado do vice da chapa, deputado federal Hugo Leal (PSB), Indio foi recebido em um almoço pelo religioso e também por bispos auxiliares e por vigários episcopais.

_DSC1333
Indio da Costa e Dom Orani conversaram sobre os problemas enfrentados pela população do Rio

Indio da Costa e Dom Orani conversaram sobre os problemas enfrentados pela população do Rio. O candidato apresentou as principais propostas de seu plano de governo caso seja eleito, como saúde, educação, transportes e gestão. No entanto, o destaque foi a violência no município. Indio explicou detalhes sobre a criação da Secretaria municipal de Segurança Pública.

– Os órgãos de manutenção da cidade e a guarda municipal vão para a Secretaria municipal de Segurança Pública. Entendemos que uma área degradada atrai a violência. Então, a ideia é trabalhar com a iluminação, cuidar dos parques e jardins e requalificar a guarda para que ela se faça presente. Tudo num trabalho em conjunto – disse.

Segundo Indio da Costa, a nova pasta não aumentará os custos da prefeitura:

– Eu vou criar a secretaria sem nenhum custo a mais e nem para nenhum carioca. Vamos reestruturar o quadro administrativo.

Em junho, Dom Orani passou por um tiroteio. O cardeal permaneceu por dez minutos se protegendo dos disparos, até poder seguir para o aeroporto. O religioso foi surpreendido durante um ataque a Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) dos morros Fallet e Fogueteiro, em Santa Teresa, no Centro do Rio. Foi a terceira vez em que ele viveu de perto a insegurança da cidade. Entre setembro de 2014 e julho de 2015, o arcebispo foi vítima de dois assaltos a mão armada.

– A lei federal 13.022 entregou para as prefeituras do Brasil inteiro a responsabilidade de cuidar da vida das pessoas. O que a gente vai fazer é executar essa lei em conjunto com o governo do estado: abrindo as informações dos hospitais e das escolas. Só por ali, a polícia civil tem muita informação para avançar com as investigações que muitas vezes ficam paradas – ressaltou Indio.

O candidato comentou a visita ao religioso:

– Dom Orani foi assaltado duas vezes, ficou em meio a um tiroteio, teve o celular roubado. Conversei com ele e mostrei que, com tecnologia, a gente pode evitar esses assaltos por causa de celular, inutilizando o aparelho e evitando esse tipo de roubo. Esse é um passo importante e é um desafio para o próximo prefeito.

Pela manhã, Indio da Costa fez uma visita técnica pelo sistema lagunar da Baixada de Jacarepaguá a convite do biólogo Mário Moscatelli.

Indio da Costa participa de encontro com comerciantes em Madureira

Indio da Costa participa de encontro com comerciantes em Madureira

Indio vai intensificar o patrulhamento com guardas municipais em Madureira           

Candidato a prefeito do Rio pelo PSD, o deputado federal Indio da Costa participou nesta sexta-feira de um almoço com os lojistas no Mercadão de Madureira, na Zona Norte. Ele estava acompanhado de seu vice na chapa, o também deputado federal Hugo Leal (PSB), e da presidente nacional do PMB, Suêd Haidar. No encontro, Indio ouviu as principais reivindicações dos comerciantes da região. Entre elas, a falta de segurança e a desordem nas calçadas.

Indio fala com comerciantes sobre prioridades para Madureira
Indio fala com comerciantes sobre prioridades para Madureira

No discurso, Indio da Costa afirmou que para resolver os problemas apontados pelos lojistas intensificará o patrulhamento de guardas municipais. A corporação, segundo ele, será integrada à Secretaria municipal de Segurança pública, pasta que ele criará caso seja eleito. O candidato recebeu reclamações como assaltos, presença de usuários de drogas e ocupação irregular de vendedores ambulantes.

– A Guarda Municipal terá uma presença maior em Madureira. Além disso, usaremos tecnologia, incluindo câmeras de segurança de alta precisão para ajudar o ordenamento urbano. Assim, teremos uma maior fiscalização. Andar nas calçadas de Madureira hoje é uma aventura. Há uma grande rede, com alto lucro, que vendem os mesmos produtos dos comerciantes de forma irregular nas ruas sem pagar imposto. É uma concorrência desleal. Temos espaço para todo mundo trabalhar. Se eleito, vou organizar esse mercado informal. Já fiz isso em Copacabana e Leme, quando era administrador regional – ressaltou o deputado.

Só no Mercadão de Madureira existem pelo menos 600 lojas. De acordo com Pedro Silva, presidente da Associação Comercial do Grande Mercado de Madureira, passam pelo local cerca de 40 mil pessoas por dia. Em datas comemorativas, o número chega a 90 mil consumidores.

– Os camelôs precisam trabalhar, mas não podem quebrar o mercado formal. A fiscalização da prefeitura só passa uma vez por ano por aqui – disse a lojista Conceição da Silva, de 53 anos.

Indio da Costa apontou também como prioridades para Madureira a presença dos serviços essenciais aos moradores, como iluminação pública. Nesta sexta-feira, o deputado também fez uma caminhada pelo bairro do Méier, acompanhado de candidatos vereador da coligação.

 

Indio da Costa recorre à Justiça para mudar estatuto da Guarda Municipal

Indio da Costa recorre à Justiça para mudar estatuto da Guarda Municipal

Indio cobra aplicação da Lei 13.022, que determina mudanças no estatuto da Guarda Municipal     

O candidato à prefeitura do Rio pelo PSD, deputado federal Indio da Costa, entrou nesta quarta-feira com uma ação popular, com pedido de liminar, na 5a Vara de Fazenda Pública da capital, contra a prefeitura e o comandante da Guarda Municipal, Luis Cláudio Laviano. A medida tem como objetivo fazer com que o prefeito Eduardo Paes cumpra a Lei 13.022, aprovada em 2014, que determina mudanças no estatuto da corporação.

Indio quer acabar com a subordinação da Guarda Municipal à Polícia Militar
Indio quer acabar com a subordinação da Guarda Municipal à Polícia Militar

O documento, de 16 páginas, pede ainda o afastamento de Laviano, coronel da Polícia Militar, do cargo. A nova legislação prevê, por exemplo, que entre as atuais atribuições dos guardas municipais seja incluída a proteção da vida das pessoas e o patrulhamento preventivo. Hoje, o principal papel do órgão é cuidar apenas do patrimônio público. A prefeitura tinha o prazo de dois anos para se adequar a lei, o que até agora não ocorreu.

Entramos na Justiça para tirar do comando da guarda municipal a Polícia Militar. Desde quando foi criada, a GM é comandada por policiais militares. Não queremos a subordinação da Guarda Municipal à Polícia Militar. Queremos a integração. Trabalhar em conjunto. Mas a Guarda terá de ter a cultura própria dela, de trabalho preventivo, de proteção e cuidando das pessoas. A partir da nova lei, a Guarda é obrigada a também cuidar das pessoas. É uma lei de interesse da sociedade, do carioca. Essa mudança é muito radical para a gente fingir que nada está acontecendo. A ideia é criar a Secretaria municipal de Segurança Pública e incluir a Guarda Municipal, explicou Indio.

O candidato conversou nesta quinta­-feira com guardas municipais de folga em frente à sede da corporação, em São Cristóvão, na Zona Norte, para apresentar a proposta. Segundo Indio da Costa, a prioridade de sua administração, caso seja eleito, será a Segurança Pública.

Vamos garantir o direito de ir e vir do carioca com apoio tecnológico, sistema de informações e inteligência, além de requalificar a Guarda Municipal, ressaltou o deputado federal.

Indio da Costa cobra aprovação de medidas anticorrupção

Indio da Costa cobra aprovação de medidas anticorrupção

Para garantir que a mesa diretora tramitasse as “Dez Medidas contra a Corrupção”, de iniciativa popular, propostas pelo Ministério Público Federal, apresentei em dezembro de 2015 todas elas, na Câmara dos Deputados.

Indio Dez Medidas
Indio cobra do presidente da Câmara, Rodrigo Maia, celeridade na aprovação das medidas contra corrupção

Com 1,5 milhão de assinaturas, o então presidente da Câmara poderia aceitar apenas uma delas e excluir as outras. As 10 Medidas são compostas por 19 projetos de lei e uma PEC (Proposta de Emenda Constitucional).

Agora, com a criação da comissão especial que vai analisar esse pacote de medidas anticorrupção, solicitei ao presidente da Câmara, Rodrigo Maia, a inclusão dos projetos na comissão, uma vez que alguns já tem parecer.

Solicito sua participação, assim como fizemos quando fui relator da Ficha Limpa. Use as redes sociais e cobre do seu deputado a aprovação das “Dez Medidas contra Corrupção”.

Indio da Costa anuncia criação da Secretaria municipal de Segurança Pública

Indio da Costa anuncia criação da Secretaria municipal de Segurança Pública

O candidato a prefeito do Rio pelo PSD, deputado federal Indio da Costa, visitou neste sábado o Centro de Abastecimento do Estado da Guanabara (Cadeg), em Benfica. Ao lado da presidente nacional no PMB, Suêd Haidar, e de candidatos a vereador da coligação, Indio percorreu corredores do local e pediu votos em restaurantes e lojas. O parlamentar participou ainda de uma festa portuguesa e ouviu reivindicações, principalmente sobre a falta de segurança na região. Ele anunciou a criação da Secretaria municipal de Segurança Pública.

O parlamentar participou ainda de uma festa portuguesa e ouviu reivindicações, principalmente sobre a falta de segurança na região.
Indio participou de uma festa portuguesa e ouviu reivindicações, principalmente sobre a falta de segurança na região.

– O presidente do Comitê Olímpico Brasileiro (COI), Thomas Bach, deixará do Rio. Ele disse que foi tudo muito bem com os Jogos Olímpicos. Isso é maravilhoso para a cidade! Mas, na Cadeg, como em todo o Rio, as pessoas dizem que a violência está insuportável. E quando a Força Nacional de Segurança e o Exército forem embora? Falta pouco para isso ocorrer. Se eu for eleito prefeito, vou criar a Secretaria municipal de Segurança Pública para trabalhar junto com o governo do estado – afirmou o deputado.

O mercado popular do Cadeg conta com aproximadamente 700 lojas, incluindo restaurantes e estabelecimentos de vendas de frutas, bebidas, decoração e flores, entre outros. Proprietário há 24 anos do tradicional Cantinho das Concertinas, Carlos Cadavez, de 70, o Carlinhos, contou que já foi assaltado várias vezes no bairro.

– Já pedimos policiamento, mas não conseguimos. A guarda municipal poderia ajudar neste patrulhamento. Muitas pessoas deixam de vir aqui por causa da violência – ressaltou Carlinhos.

Segundo Indio da Costa, a Secretaria municipal de Segurança Pública fará o planejamento, o monitoramento, a implantação e a avaliação de políticas de segurança para prevenir o crime e reduzir a violência no Rio.

O mercado popular do Cadeg conta com aproximadamente 700 lojas
O mercado popular do Cadeg conta com aproximadamente 700 lojas

– Nossa proposta passa pela requalificação da guarda municipal e de diversos órgãos da prefeitura para atuar com tecnologia de ponta, dados e fatos processados por um sistema de informações de de inteligência, além de intensificar a presença física da guarda municipal nas ruas – destacou o candidato.